Notícias sobre Regulação


Trinta e uma organizações da sociedade civil divulgaram uma Carta Aberta, enviada ao diplomata Fábio Vaz Pitalunga, representante do Brasil na Comissão Internacional da Baleia, exigindo um posicionamento forte contra a matança de baleias praticada por embarcações japonesas na Antártida. Segundo o documento, apesar de a região ser declarada um santuário para esses cetáceos desde 1994 e de a comissão ter estabelecido uma moratória em 1986, a caça está em expansão sob a alegação de se tratar de “captura científica”.

O Brasil integra o pequeno grupo de negociação que tem se reunido com o Japão para tentar resolver o impasse. No entanto, os ambientalistas têm informações de que o governo japonês não se mostra disposto a um acordo.

“Aceitar os termos do Japão e legitimar a continuidade da caça na Antártida vai contra tudo o que o Brasil sempre defendeu na conservação dos cetáceos, em particular o direito dos países do hemisfério sul ao uso não-letal desse animais através do turismo de observação, que pode ser seriamente afetado pelo roubo de nossas baleias pela indústria baleeira japonesa. Precisamos por um fim a esse crime, e esperamos que nossos diplomatas mantenham a posição firme que fez do Brasil uma liderança positiva na CIB”, afirma José Truda Palazzo Jr., ex-vice-comissário do Brasil na comissão e atual presidente do Conselho Superior da Rede Marinho-Costeira e Hídrica do Brasil.

© 2007 CRE Brasil - Todos os direitos reservados.