Notícias sobre Regulação


Um vazamento de petróleo, ocorrido no último dia 8 na Bacia de Campos – a 120 quilômetros da costa do estado do Rio de Janeiro –, está na mira de uma investigação da Polícia Federal. Após uma vistoria no campo de Frade, operado pela norte-americana Chevron, o chefe da Delegacia de Meio Ambiente da instituição, Fábio Scliar, verificou indícios de que a companhia estaria omitindo informações e que o acidente pode ser mais grave do que a empresa divulgou.

Segundo a Chevron, o volume que havia vazado até a última quarta-feira (16) era de 450 a 650 barris, provocando uma mancha de óleo que se espalhava por 163 quilômetros quadrados. No entanto, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) estimou um vazamento muito maior: mil barris.

O delegado Scliar foi duro nas críticas: “Há muitas inconsistências e mentiras que vêm sendo ditas pela Chevron. O dano ambiental é de proporções incalculáveis”. De acordo com o responsável pela Delegacia de Meio Ambiente da Polícia Federal, a rachadura no fundo do mar de onde vaza o óleo tem entre 280 e 300 metros de extensão. Ele afirmou ainda que a Chevron teria perfurado o poço 500 metros além do que havia sido programado.

© 2007 CRE Brasil - Todos os direitos reservados.